Como Partilhar o Valor que Tens e que o Mundo Precisa (em 9 Dicas Simples)

Existem imensos projetos e comunidades de sustentabilidade, start-ups, e empreendedores sociais, ambientais, que merecem e precisam de exposição para a continuação sustentável das suas actividades. Como é que publicar na Net contribui?
Este artigo vai-te mostrar 9 maneiras fáceis para melhorar a qualidade das tuas publicações, E AINDA 3 dicas extra no final!

Existem imensos projetos e comunidades de sustentabilidade, start-ups, e empreendedores sociais, ambientais, permacultores, artesãos e artistas com imenso conhecimento, competências e valor que merecem ser vistos e ouvidos. Não só merecem como precisam do máximo de exposição possível para a continuação sustentável de todas estas profissões e projetos apaixonantes e positivos.

A verdade é que cada pessoa, incluindo tu, independentemente da sua área, ou se tem uma plataforma online ou não, tem MUITO valor. Uma coleção de conhecimento, experiências, aspirações, sonhos, e perspectivas que podem enriquecer as vidas de outras pessoas, da comunidade, e da sociedade. Basta ter uma voz para nos fazermos ouvir. E na revolução da informação que este milénio trouxe, a nossa voz pode atingir a outra ponta do planeta com um simples clicar do computador ou telemóvel.

Quando começámos este blog, deparávamo-nos constantemente com estas duas questões:

  • Que conteúdo tenho eu que valha a pena publicar e partilhar?
  • Como passar esse conteúdo lá para fora?

Aqui vão 9 dicas simples para melhorar a qualidade das tuas publicações, para que saibas sempre o que publicar, E AINDA 3 dicas extra no final! Confere.

Estas dicas são uma pequena compilação baseado no que temos aprendido na nossa comunidade online Tribo, onde temos aprendido marketing de conteúdo aplicável a qualquer projeto, a espalhar a mensagem e os projetos de cada um, e a transformar a nossa paixão na nossa profissão de forma sustentável – aqui podes explorar a nossa Tribo e fazer parte deste movimento e comunidade de formação a apoio.

 

1 – ESTUDA O QUE TE APAIXONA. DEPOIS PARTILHA O QUE APRENDESTE

Aprende. Faz. Ensina. Repete.

Ao usares um pouco do teu tempo para leres o conteúdo de diversos blogs, videos e livros, deixa-te inspirar pela mensagem que passam e aprendes com o valor que te dão. Usa esse tempo para limpares a tua cabeça e para absorveres material de qualidade.

Nunca ouviste dizer que por norma quem lê livros escreve melhor do que quem não lê?

Não é porque são mais inteligentes que tu. É apenas porque a tua fluência de ideias fica mais organizada quando tens uma métrica mental estabelecida.

É divertido e útil. Assim, estás sempre a expandir na tua área e essa aprendizagem está também a expandir a tua voz, mensagem e audiência. Estás a disponibilizar informação que tu achaste útil para ti e que pode resolver problemas a outras pessoas. Só com este simples passo já estás a fazer uma grande diferença: estamos, afinal de contas, na era do “opensource” e da revolução da informação. E saber é poder. Por isso multiplica esse poder com cada nova publicação.

 

2 – FAZ PERGUNTAS!

Ao fazeres perguntas a outras pessoas, começas a criar uma comunidade de pessoas com uma amálgama de conhecimento, e a criar um ambiente de cooperação.

Ao fazeres perguntas à tua audiência – através das redes sociais, com questionários, ou no final de um artigo ou video, etc – vais criar uma onda dinâmica dentro do teu blog/plataforma online, e com isso, naturalmente vão começar a chover comentários, feedback e opiniões que te vão ajudar a entender qual é o conteúdo que os teus leitores gostam mais, e que problemas têm que tu podes resolver. Isso vai impulsionar o teu ranking e ao mesmo tempo vais ter ideias novas e claras na tua cabeça para mais publicações.

 

 

3 – ENTREVISTA ALGUÉM

O teu blog ou plataforma online tem um nicho. Atrais pessoas que gostam do que tu publicas, mas mais que tudo, da MANEIRA como tu escreves. A tua linguagem vai atrair pessoas que usam as mesmas expressões que tu e as mesmas palavras que tu.

Além do mais, pessoas em geral gostam de ser convidadas para dar entrevistas, principalmente se seguires uma ética de lhes dar crédito no teu blog. O Ser Humano é opinativo e adora sentir-se ouvido e compreendido.

Eu pessoalmente gosto de dar crédito ao autor da página/blog/etc, porque:

  • Primeiro que tudo, é ético (o Ser Humano também adora ser reconhecido e valorizado…e não há nada de errado nisso);

  • Segundo, e mais uma vez, aumenta o teu ranking na internet, o que torna o teu conteúdo mais fácil de encontrar na Net.

  • Terceiro, mostra aos teus leitores que não és egoísta e gostas de partilhar e ajudar outras pessoas, e que trabalhas num espírito de cooperação e comunidade.


4 – ESCREVE UM ARTIGO PARA OUTRA PESSOA

Ao conectares-te com outros sites e blogs na internet provavelmente vais ser convidado a escrever um artigo para outro blog, ou até seres entrevistado se o teu conteúdo for relevante para a pessoa em questão (contacta-me se estiveres interessado).

Ao seres convidado para colaborar em conteúdo, estás a ligar os teus seguidores ao blog em questão e o teu blog irá ser referênciado e bem falado por parte de outro blogger. Ambos trabalham em comunidade para o beneficio de todos os envolvidos – tu, o outro, e as audiências de ambos.

Não existe melhor exposição que o de “passa-a-palavra”.

Quando confias em alguém, confias no que ele te diz. Se ele te recomendar um artigo, provavelmente vais acabar por lê-lo, certo? Nem que seja apenas por curiosidade.

 

 

5 – PARTILHA AS TUAS VITÓRIAS E AS TUAS “DERROTAS”.

Durante o teu caminho, vais provavelmente ter momentos de fracasso, momentos de vitória e momentos de superação.

Não há nada mais atraente e assegurador que a experiência.

Não passes o artigo todo a falar de ti, nem te gabes constantemente. Ilustra passo-a-passo como fizeste algo que te deu muito bom resultado e partilha as lições que aprendeste durante este processo – especialmente o que NÃO fazer. Aprender com os nossos “fracassos”, e ter a humildade e a honestidade de partilhar esse “fracasso” para que outros possam fazer melhor, não só revela o teu compromisso de partilhar soluções e fazer a diferença, como revela a tua força de caráter e compromisso pelo que fazes.

Faz com que outros não cometam os mesmo erros que tu. Este tipo de informação é provavelmente uma das mais procuradas. Afinal de contas, ninguém quer falhar se o caminho já estiver aberto para evoluires.

 

 

6 – RECICLA ARTIGOS ANTIGOS

Todas as pessoas sentem nostalgia. Ao voltares a publicar um artigo de quando iniciaste o teu blog, projeto, comunidade, etc, vais mostrar às pessoas que toda a gente começa do zero e que toda a gente aprende e evolui. Podes simplesmente voltar a partilhar o artigo mais velho para mostrar a tua evolução “antes vs agora”, como podes reciclá-lo.

Talvez as tuas ideias já tenham mudado. Talvez seja um artigo que precise de ter a sua informação actualizada. Re-escrever, editar, reciclar conteúdo mais velho revela cuidado da tua parte em partilhar a melhor qualidade possível de informação às pessoas – e poupa-te trabalho quando não tens tanto tempo para escrever artigos de raíz mas queres ser consistente nas tuas publicações – ou quando fores passear para a floresta e não tens wifi 😉

 

 

7 – USA PERSONAGENS RECONHECÍVEIS E TÍTULOS INTRIGANTES

Ao juntares o teu tema do artigo a nomes e personagens reconhecíveis pela maioria, a resistência à tua mensagem será menor, a curiosidade aumenta, e as pessoas vão divertir-se mais a ler o teu artigo.

Estás a usar um tema e uma ideia que já está formada na cabeça das pessoas para explicares uma ideia completamente diferente.

  • Por exemplo: “Como uma Galinha me Ensinou a ser um Melhor Humano” ou “O que o Batman me mostrou como Blogar”

Vez, funciona certo?

 

 

8 – PROCURA TER EXPERIÊNCIAS NOVAS

Durante a tua vida pessoal tens de certeza momentos altos. Isso é óptimo, cria carácter e permite que a tua criatividade flua sem resistência.

Ao estares aberto a novas experiências vais ser inspirado a falar de coisas diferentes e interessantes, que podes partilhar com a tua audiência. Tambem ajuda imenso criar relações com futuros colaboradores, entrevistadores e entrevistados, partilha de informação, etc. 

 

 

9 – DÁ A TUA OPINIÃO – FAZ UM “REVIEW”

Escolhe uma companhia, projeto, produto, serviço ou website e faz uma revisão da tua experiência.

 

A minha métrica pessoal nestes casos passa por desenvolver:

  • O que estão a fazer bem?
  • O que podiam melhorar?
  • Pontos altos e coisas a ter em conta.
  • Que necessidades satisfez (ou não satisfez), e como a audiência pode contactar/adquirir o produto/serviço/projeto que estás a expôr.

Ao seguir esta métrica consigo passar conteúdo valioso para a minha audiência e se for uma boa revisão, as tuas publicações ganham boa reputação e assim mais pessoas irão confiar no que partilhas, porque estás a falar baseado na realidade da tua experiência pessoal. Nunca assumas a tua opinião como sendo verdade absoluta.

 

 

Como te prometi no ínicio deste artigo, vou dar-te 3 dicas extra porque acho que se leste este artigo até ao fim, mostra que estás 100% comprometido contigo mesmo e na tua expansão e eu quero ajudar-te ao máximo. Aqui vão as 3 últimas dicas extra.

 

1 – Ajuda o Teu Cérebro a Reiniciar.

Encontra a tua fonte de energia.

Para algumas pessoas é andar a pé, para outras é correr, ou ler, meditar, ir ao cinema.

Para mim o que resulta é pegar numa folha de papel em branco e numa caneta, e escrever todas as palavras que venham à cabeça…mesmo que não façam sentido, escrevo tudo até ter a cabeça limpa. Após esse exercício, vou dar uma volta a pé para absorver os ares da montanha aqui onde moro em Portugal.

Descobre qual é o teu gatilho pessoal. Acredita que faz uma diferença gigantesca e vais colher benefícios em vários outros aspectos da tua vida.

 

 

2 – Conta uma História Pessoal

Ao contares uma história pessoal, estás a partilhar a tua experiência com os teus leitores e essa é a melhor maneira de te conectares por escrita com alguém.

As pessoas ao ler as tuas histórias identificam-se com elas e aceitam melhor a informação que estão a ler. Torna-se numa maneira bastante pessoal de escrever para alguém e a audiência adora isso.

 

 

3 – Transforma a tua Paixão na tua Profissão

Hoje em dia, existem cada vez mais pessoas a gostarem da ideia de ter um blog para partilhar as suas opiniões, mas os blogs são usados para 1001 propósitos.

Para nós, foi graças a ele que pudémos começar uma actividade completamente nova – a área das sustentabilidades – sem ter de fazer investimentos insustentáveis apenas para começar.

Vemos muitas pessoas cujo trabalho que lhes dá dinheiro é a razão porque não fazem o que querem realmente fazer. Porque a sua paixão não lhes rende dinheiro, portanto sentem que precisam de sacrificar o seu sonho pela sua sobrevivência.

E vemos muitas pessoas na área das sustentabilidades que estão a dar tudo por tudo para fazer a diferença, mas que precisam de mais exposição e mais rendimento para melhorar ou até tornar os projetos sustentáveis e rentáveis para que possam expandir e tocar a vida de mais pessoas.

É muito gratificante ter uma profissão que gosto e de ter um modelo que me permite expandir, ter uma vida de abundância e ajudar pessoas a fazer o mesmo com a comunidade de formação e cooperação da Tribo – e acreditamos que toda a gente merece essa oportunidade de transformar a sua paixão na sua profissão.

 

Ter um blog, escrever artigos, fazer videos, publicar nas redes sociais conteúdo de valor é um passo simples mas, na minha experiência pessoal, muito importante para ir nessa direção.

 

Qual é a próxima coisa que vais partilhar com as pessoas?

Podes começar por partilhar o teu valor único nos comentários, e partilhar este artigo com quem possa achar interessante 😉

 

Como Lidar com a Frustração Tornando-a Numa Aliada

Será que temos que ser vítimas de Frustração, ou podemos virá-la a nosso favor? Aqui vais descobrir de uma simples re-interpretação desta emoção te pode dar a vantagem, transformando esta emoção numa aliada nos teus projetos, trabalho e vida pessoal.

 

Hoje uma conversa entre amigos inspirou-me para escrever este blogpost. Fala de uma coisa com a qual to

Lembras-te da última vez que sentiste Frustração?

Para que serve, e porque aparece quando tudo parece correr mal?

 

Hoje uma conversa entre amigos inspirou-me para escrever este artigo.

O Filipe (a.k.a Pipo) tinha passado as últimas 3 horas a escrever um artigo espetacular para o blog, e uma pequena falha técnica no computador  fez com que ele perdesse todo o conteúdo que tinha cuidadosamente criado para ti.

Vou apenas dizer que o Pipo queria partir o Computador. Nem cabia em si de raiva e frustração.

Sentia que tinha perdido 3 horas preciosas do seu dia e, no final, não tinha nada “feito” que refletisse o seu trabalho árduo e dedicação.

Em luz disso, em honra do artigo perdido do Pipo, e um exemplo pessoal de como é possivel usar a Frustração a nosso favor, aqui estou eu, a falar-te acerca de Frustração.

Esta emoção tem, de facto, uma vertente muito útil e positiva que tu podes não conhecer.

 

Todos conhecemos frustração. Aquela sensação de querermos dar um passo em frente e sentirmos uma parede à nossa frente . Que as coisas estão a ir na direção oposta (ou a um passo mais lento) àquele que queremos. E, normalmente, queremos evitar esta sensação a todo o custo.

A verdade é que a frustração, como o fogo, tem um lado BOM e muito útil.

A diferença entre o fogo te aquecer ou te queimar é saberes lidar com ele, saber usá-lo a teu favor.

Todos nós temos que lidar com frustração.Já estive presa no ciclo de frustração que me fez sentir encurralada, e hoje, a perda do artigo do Pipo fez-me querer partilhar contigo algumas dicas fáceis para que possas também tornar a tua frustração numa aliada

 

Como é possível Tornar a Frustração Numa Aliada?

 Re-interpretando esta emoção pouco compreendida:

 

#1 FRUSTRAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NÃO SÃO A MESMA COISA

 

Muitas vezes deparo-me com a ideia geral que “sentir-se frustrado” e “sentir-se desmotivado” são sinónimos.

De facto, uma coisa tem pouco, ou nada, a ver com a outra.

Uma pessoa Desmotivada nunca chega sequer a sentir Frustração, porque sem Motivação, a Frustração não surge.

Já vais perceber porquê no final do próximo ponto…

 

#2 FRUSTRAÇÃO É UM SINTOMA DE UMA MOTIVAÇÃO INTERNA QUE NÃO ESTÁ A SER POSTA EM AÇÃO.

 

 Estás no trabalho, ou num projeto, a progredir bem, e sentes-te motivado ns tuas ações, quando, subitamente, surgem obstáculos que te impedem de progredir.

E pronto – sentes-te frustrado.

  • Quando tens um MOTIVO que te faz querer retomar o ritmo, resolver o problema, avançar para a frente – continuas MOTIVADO (do latim “Movere”, deslocar, mover, fazer mudar de lugar) apesar do teu obstáculo, e essa motivação que subitamente deixou de ser manifestada em ação, devido aos obstáculos, abre as portas à frustração.
  • Estar DESMOTIVADO, pelo contrário, é a FALTA de Motivo.

Des-Motivado. Sem motivo.

Uma pessoa desmotivada precisa de encontrar os motivos, os desejos, que a farão querer tomar ação.

Frustração é até bom sinal: uma pessoa que sinta frustração  JÁ tem esse motivo, e a frustração quer puxar pela pessoa, como um “turbo” num carro, a tomar ação para ultrapassar o problema.

Como eu vi acontecer com o Pipo quando ele perdeu o artigo.

Estava super motivado porque queria partilhar umas ideias fantásticas contigo aqui no blog, e quando as circunstâncias o fizeram dar uns passinhos atrás, lá veio um tsunami de frustração.

Se ele não estivesse Motivado a escrever esse artigo, provavelmente nem o teria escrito sequer. Não pode haver Frustração se não houver Motivação.

Agora ele está ainda mais “fisgado” em acabar aquele artigo. E como já o fez antes, agora é capaz de sair ainda mais bem escrito, com as ideias melhor estruturadas, porque ele já o fez antes, logo, a próxima tentativa será forçosamente melhor.

#3 FRUSTRAÇÃO É O TEU TURBO INTERNO PARA AS SUBIDAS MAIS AGRESTES

 

A Frustação, se fores bem a ver, é apenas uma força que te empurra na direcção que os teus desejos internos te conduzem.

É a forma da mente te instigar com sensações fisicas (emoções), como que a dizer “Pst, anda, mexe-te, vai em frente, por aqui”. Frustração é apenas a representação emocional dos teus desejos, do que tu queres, e do que estás disposto a fazer para que esses se tornem realidade.

Tens um motivador interno que quer por-te a mexer quando mais precisas: quando surgem dificuldades.

Não é nessas alturas que normalmente surge a frustração?

#4 FRUSTRAÇÃO NÃO É UMA FORÇA NEGATIVA, NEM MESMO O FRACASSO QUE ASSOCIAMOS A ELA

 

A razão porque nós não interpretamos frustração como uma força impulsionadora é por causa da forma como fomos condicionados a pensar em frustração e fracasso, e desenvolvemos um reflexo inconsciente que nos faz querer evitar fracasso (que é impossivel) e proteger-nos de nos sentirmos frustrados.

Mas fracasso não existe. O que nós entendemos como fracasso é realmente feedback. Com os teus “fracassos”, como Thomas Edison e a sua lâmpada, recolheste informação e experiência que precisavas para teres sucesso na tua próxima tentativa.

Sentes frustração nestas alturas porque o teu “turbo” interno está a tentar lembrar-te que com cada fracasso, mais forte estás e que deves persistir. Vitória é inevitável.

 

Que esta revelação do Lado Bom da Frustração te permita interpretar essa emoção, para que ela te puxe para a frente, e tenhas mais algumas estratégias que te permitirão evoluir, resolver problemas mais facilmente, abraçar desafios, ter sucesso nos teus projetos de vida, e ser, no geral, uma pessoa mais motivada à ação e, portanto, feliz.

 

Lembras-te da última vez que sentiste Frustração?

Agora que sabes torná-la na tua aliada, o que pode mudar para ti?

Conta-nos tudo nos comentários!

Dinheiro E Sustentabilidade: Será possivel? 6 Mitos sobre o Dinheiro que te vão fazer sentir mais Livre

Dinheiro e sustentabilidade devem andar de mão dada. O que faz o dinheiro ser um problema ou uma solução é a nossa relação com ele e a forma como lidamos com o dinheiro na nossa vida. Este artigo expõe os 6 mitos que destroem um ciclo sustentável com este recurso que muitas pessoas rejeitam ou até odeiam.

Já reparaste que o Dinheiro parece ser o problema E a solução para todos os teus problemas?

O Dinheiro, e a nossa relação com ele, são um paradoxo constante.

 

Deparamo-nos com o paradoxo do dinheiro, e a maior armadilha da forma como dinheiro está inserido na nossa sociedade:

[tweet_dis]Precisamos de dinheiro para viver. Mas muitas vezes é a nossa busca pelo dinheiro que nos IMPEDE de viver.[/tweet_dis]

Não consegues viver com ele, mas também não consegues viver sem ele.

E entramos neste paradoxo que nos deixa… sem dinheiro.

É o carrocel:

  • precisamos de dinheiro para viver,
  • a busca de dinheiro leva-nos a maior parte da nossa vida (40 anos até à idade da reforma, em prestações de pelomenos 8 horas diárias),
  • acabamos por não viver a vida porque temos que ganhar dinheiro,
  • o dinheiro gasta-se rapidamente e sem fazer o que precisas que faça,
  • e lá vamos nós outra vez à busca de dinheiro, sacrificando tudo o resto.

 

O Paradoxo do dinheiro na nossa sociedade: a maior parte de nós dá voltas e voltas e acaba no mesmo sitio,

Quantas horas por dia dedicas a ganhar dinheiro? Vale a pena o tempo e esforço pelo dinheiro que ganhas?

Quantas oportunidades para viver a vida é que já te negaste porque precisavas de ganhar dinheiro?

Quantas decisões já tomaste únicamente devido às tuas possibilidades financeiras?

É possível que 99% das tuas decisões não foram tomadas por ti – foram controladas pelo dinheiro. Sentiste-te forçado a tomá-las da forma que tomaste por causa do dinheiro… ou a falta dele…. ou o medo de o perder.

 

Como seguir uma vida livre, sustentável, e ética, se não nos conseguimos desligar no “flagelo” do dinheiro? Será possível conciliar uma vida de sustentabilidade e em harmonia com a Natureza com a “sombra  negra do dinheiro” que paira sobre tantos nós?

 

Um dia, a minha irmã Bia conta-me um episódio que aconteceu na Internet.
Ela recebeu uma mensagem de uma pessoa que dizia:
“Eu odeio dinheiro e todo o mal que causa neste mundo. Não preciso de dinheiro para nada, sou completamente auto-suficiente. Como te atreves dizer que dinheiro (querê-lo e ter muito dele) é bom? Temos que viver sem precisar de dinheiro – só assim vivemos de uma forma auto-sustentável e off grid”.
A minha irmã colocou então a seguinte questão: 
“Se não precisas de dinheiro para nada, e é assim tão mau, como pagas a Internet que estás a usar para falar comigo? Com galinhas?” 
Ao longo da conversa, a Bia descobriu que esta pessoa afinal PRECISAVA de dinheiro, apenas não o tinha – estava a viver em casa dos pais e a Internet era paga por eles.
“Não te iludas – ser auto-suficiente, ou viver de uma forma sustentável, não tem nada a ver com viver à custa do dinheiro das outras pessoas, ou viver pobre, em escassez – dinheiro não é mau, nem é bom – é o que fazemos com ele.
 

De certeza que muitos de nós compreendemos tanto um lado desta conversa, como o outro.

E se, como eu, sonhas com aquele mundo idilico em que não existem os flagelos causados pela corrupção, abuso de poder e ganância, é compreensível de magoe um pouco reconhecer o facto que precisamos de dinheiro para sobreviver – uma realidade que muitos acham triste.

Mas não será pior ainda caminharmos em direção de uma distopia? Como a pessoa que, vivendo numa ilusão, nega que precisa de dinheiro para viver, alega uma vida auto-suficiente, quando realmente está a viver à custa do dinheiro dos outros?

 

Realmente, e vais ver quando chegares ao final do artigo, o que faz o dinheiro ser um problema ou uma solução é a nossa relação com ele, a forma como lidamos com o dinheiro na nossa vida e nas nossas decisões do dia a dia.

Como pensamos que não podemos fazer nada sem ele, não pensamos noutra coisa…como uma droga, estamos sempre presos a ele, precisamos sempre dele, e pensamos que não podemos viver sem ele… e ao mesmo tempo parece ser a solução, mas a maior parte das vezes é o problema.

E de repente, a tua vida deixa de ser tua.

  • Não persegues os teus sonhos porque não tens dinheiro.
  • Não segues a tua carreira de sonho porque “não tem saída”.
  • Não viajas porque precisas de um emprego, para ganhar dinheiro, gastá-lo para sobreviver, e ficar na mesma. Mais uma volta ao carrocel.

Blog Image (1)

Então, como nos podemos libertar deste paradoxo do dinheiro, se sem ele, não podemos sobreviver na nossa sociedade moderna?

Principio de Permacultura: O problema é a Solução.

Dinheiro é apenas mais um recurso, e, em permacultura, qualquer recurso que não esteja a ser devidamente utilizado num padrão ciclico é considerado poluição.

A nossa sociedade está poluída pelo dinheiro – existe excesso em alguns sitios, onde estagna e apodrece, e existe escassez em outros sitios, onde pouco cresce, e com dificuldade.

 

Mas a solução para “o problema do dinheiro” não é afastarmo-nos dele, mas sim diminuir a nossa dependência TOTAL nes, e melhorar como essa “energia” circula. Mais, uma vez, a permacultura ensina-nos algo valioso: não colocar todos os ovos no mesmo cesto. Ter fontes diferentes para adquirires o que precisas.

Dinheiro, tal como tempo, são apenas medidas de energia para conseguir algo a que te propões concretizar. E quando o dinheiro e o seu ciclo são usados de uma forma sustentável, acontecem coisas fantásticas, como já mostrou Bill Mollison, um dos pais da permacultura – ele sempre incluiu finanças como uma estrutura “invisível” CRUCIAL para o sucesso de qualquer habitat humano sustentável:

Mas, enquanto a nossa sociedade ainda revolve completamente em torno do dinheiro, nós podemos começar a desintoxicar desta dependência na nossa mente com apenas algumas novas ideias acerca da realidade do dinheiro.

Vamos lá melhorar a tua relação com a tua Carteira:

 

#1 Há que mudar o nosso relacionamento com dinheiro. 

[tweet_dis]O dinheiro faz um excelente empregado, mas um péssimo patrão.

Mudas o teu relacionamento com o dinheiro, e começas a ter resultados diferentes com ele.[/tweet_dis]

Começa por deixar de tomar decisões exclusivamente baseado no extrato da tua conta bancária.

Tu és o patrão, não o dinheiro, por isso as decisões devem vir de ti, e não do dinheiro que te diz  instantaneamente “não podes”, sem olhar a mais nada, e sem interesse em soluções. Mais vale quem quer do que quem pode. Destranca a tua capacidade criativa de resolução de problemas e pensa paralelo ao dinheiro.

 

#2 Dinheiro é apenas uma ferramenta. Não é a solução nem o problema.

Uma ferramenta serve um propósito e nada mais.

Uma pistola, ou seja, o objeto em si, não é bom nem mau.
Se estiveres a apontar a um alvo inanimado, não é mau.
Mas se estiveres a apontá-la a uma pessoa, já é.

Tu é que dás o significado às coisas, dependendo da utilização que lhes dás e o resultado.

Com o dinheiro passa-se o mesmo. E como qualquer ferramenta, tem o seu lugar, altura e propósito próprio.

Se queres apertar um parafuso, e puxas do martelo, vais ter um problema.

Se usares a ferramenta certa, da forma correta, dar-te-á o resultado que procuras.

Em permacultura, dinheiro é uma ferramenta importantíssima, um elemento das estruturas invisiveis que ajudam o sonho daquele projeto, eco-casa ou agro-floresta – é transformar dinheiro em algo que te orgulhes e que beneficie a muitos níveis.

 

#3 A Falsa associação na nossa mente que diz que a falta de dinheiro é a raíz de todos os nossos problemas e a razão porque não conseguimos resolvê-los.

O Rui Gabriel contou-me uma história no outro dia de uma senhora que o abordou na Internet e se queixou que não podia fazer muitas coisas na vida dela, incluindo arranjar emprego, porque sofria de depressão. Imediatamente ele perguntou-lhe se ela ganhasse 1 milhão de dólares naquele momento, se ainda se sentiria deprimida.
Ao que a senhora, espantada, respondeu: Não.
Isso imediatamente mudou o paradigma dela, do que ela achava sobre as limitações dela e a sua relação com o dinheiro, e, efectivamente, afiliou-se ao nosso sistema de blogs e da Tribo, e deu um passo na direção das mudanças que queria ver na sua vida.

Se o teu problema é, por exemplo, falta de tempo para fazer o que queres, então a solução é arranjar tempo, não a falta de dinheiro. Faz disso uma prioridade, e não te foques no dinheiro como a solução milagrosa para tudo.

 

#4 Tira o dinheiro do pedestal e põe-o na caixa de ferramentas com todas as outras.

Como dissémos antes, dinheiro é uma ferramenta muito poderosa, mas mais uma vez, tem a sua altura de ser usada.

Como a senhora que negligenciou todas as suas outras capacidades porque estava tão focada na falta de dinheiro, não nos podemos esquecer que temos outras ferramentas essenciais para termos sucesso: tempo, competências, paixão, motivação, resiliência, ética, entusiasmo, conhecimento, iniciativa, etc…

Dinheiro ajuda nas nossas necessidades materiais, mas nós sabemos que não compra amor, não compra relacionamentos especiais e genuínos, não compra momentos singelos, não garante realização pessoal ou sucesso, e, como vemos pela infinidade de celebridades e o seus rastos de escândalos na vida pessoal, não garante felicidade.

[tweet_dis]Há muitas coisas que o dinheiro não consegue fazer por ti, portanto não dês mais importância a essa ferramenta sobre todas as outras. Cada uma tem o seu propósito.[/tweet_dis]

 

#5 Usa as Outras Ferramentas.

Tens tempo, competências, capacidades, potencialidades únicas, motivação, objetivos, SONHOS, pessoas, relacionamentos pessoais e profissionais, etc, etc, ETC!

Usa e desenvolve as outras ferramentas, para não estares tão dependentes na ferramenta que é o dinheiro. Assim, mesmo que não tenhas muito dinheiro, sentes-te seguro que podes ir em frente na mesma porque tens uma caixa inteira de ferramentas ao teu dispor.

 

O que vai finalmente mudar a tua vida é deixares de pensar que dinheiro é um canivete suiço que resolve tudo, e começares a tomar decisões benéficas para a tua vida MESMO que isso não te dê mais dinheiro logo – porque, se dinheiro não é o mais importante da tua vida, mas sim o sonho que queres realizar com a sua ajuda, então não o trates como tal.

 

#6 Desapega-te do Dinheiro Emocionalmente.

Já percebemos que o dinheiro é uma ferramenta. Mas a maior parte das pessoas desenvolve um apego emocional ao dinheiro que não pertence.

Eu sei por experiência própria – principalmente quando, no inicio, decidi que queria levar uma vida mais simples e em harmonia com a Natureza. Ambos esses conceitos – dinheiro e vida “hippie” auto-suficiente, não pareciam encaixar.

Sentimos ansiedade quando precisamos de gastar dinheiro, temos medo de não ter dinheiro, achamos que abrir mão de dinheiro é uma ameaça para a nossa subsistência e agarramo-nos a ele -não só emocionalmente como literalmente – ou, para evitar essa dor de não ter algo que sentimos falta, mentimos a nós mesmos, dizendo que não precisamos dele.

Mas se nos agarramos emocionalmente ao dinheiro, não o podemos USAR da melhor forma para que possa gerar mais, para que possa fazer o que tu precisas que ele faça. Dinheiro é como água numa nora, só atua se a direccionares e deixares circular. Se não libertares a água, não esperes ver a nora a funcionar.

Esta é a principal razão porque a maior parte das pessoas fogem da palavra investimento, mesmo sabendo que investimento, seja de tempo, trabalho ou dinheiro, é necessário ao sucesso e à realização dos seus sonhos.

O objetivo real da pessoa nunca, ou raramente, é dinheiro.

A maior parte das pessoas não quer dinheiro pelo dinheiro em si, mas porque o dinheiro lhes permite realizar os seus objetivos REAIS, como poder dar a melhor vida à sua familia, poder seguir a sua carreira de sonho, poder dar os melhores cuidados a um familiar doente, poder passar mais tempo com a familia e amigos, poder ajudar pessoas e fazer a diferença, criar o estilo de vida que os faz feliz etc…

 

Estou numa tribo onde dinheiro não existe, e eles precisam de uma habitação nova.Se eu lhes der 10 000 dólares, eles provavelmente vão pensar que eu sou doida, “porque é que esta mulher de cabelo amarelo nos está a dar esta coisa esquisita com desenhos?” Não tem significado nenhum para eles, e portanto, não há apego emocional.Mas se, em vez disso, lhes construirmos a habitação, aí já tem significado. Provavelmente ficariam muito felizes. Mesmo que eu tenha gasto os mesmos 10 000 dólares para construir a casa, não é o dinheiro que tem significado, mas sim o sonho.

 

Quando nos desapegamos emocionalmente do dinheiro, estamos a focar-nos nos nossos objetivos reais, e o dinheiro é simplesmente outro recurso que estás a usar para lá chegar.

No fundo, é a tua visão do futuro com que sonhas que te vai dar o entusiasmo e a alegria que te motivarão para a frente, e serás muito mais objetivo nas tuas ações relativamente a dinheiro, porque deixaste de te associar emocionalmente a ele.

Saberás ver mais claramente, e sem medo ou ansiedade, que usando o dinheiro alinhado com as tuas prioridades na vida é o que vai pôr o dinheiro a trabalhar para ti e em direção ao teu sonho.

Tira-o do pedestal, e dá prioridade ao que é REALMENTE importante na tua vida. Aos teus objetivos reais.

Verás que o dinheiro deixa de ser tão importante, e deixarás de te sentir stressado ou ansioso quando pensas nele ou quando decides que está na hora de o pôr a trabalhar para o teu sonho.

 

BÓNUS:

A maior parte do rancor que guardamos em relação ao nosso sistema económico, e ao dinheiro, é realmente a nossa ânsia de ver um recurso com tanto Poder ser utilizado mais em prol do bem das pessoas e do planeta – e quando vemos pessoas a usar “mal” este recurso, faz deflagrar um fogo de ultraje e sede de justiça – de querer mudar para algo melhor.

Gostava que saísses daqui com uma pergunta:

Se afirmamos que faríamos diferentemente, e de uma forma mais sustentável, a aplicação desse dinheiro que vemos outras entidades investir de uma forma egoísta e prejudicial, isso não significa que pode ser a nossa RESPONSABILIDADE ganhar dinheiro com/usando os nossos principios éticos de cuidar das pessoas, cuidar da terra, e partilha de excedentes?

 

Não será hora de tomar responsabilidade por, a nivel individual, mudar o significado do dinheiro em algo que nos faça sentir mais livres, em vez de mais aprisionados? E como podemos fazer isso se não integrarmos o dinheiro como uma semente “joker”, que se pode transformar naquilo que precisas, em vez de ser a raíz dos nossos problemas?

O problema que enfrentamos – o dinheiro – é a solução. Apenas precisamos de entender o bem que pode fazer, e a nossa responsabilidade de o ganhar para poder transformá-lo nisso mesmo: Bem.

 

Quando vais parar de tomar decisões baseado no quanto tens na tua carteira?

O que vais fazer hoje para alavancar o teu estilo de vida?

 

Rute Gabriel